quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Sua Majestade

Numa tarde em que o Outono dá lições de meteorologia ao verão, foto da traineira Milão e do ferry Cruzeiro do Canal com sua "Majestade", montanha do Pico, como pano de fundo.

Foto em 30.09.2010 (18:45 h)

Desembarque de Gado


Lusitânia desembarcando gado vivo no porto da Madalena para a Cooperativa Verde Atlântico (gado IGP).

Foto em 30.09.2010 (14:50 h)

Atuneiro Milão

Atuneiro Milão, propriedade da Cofaco, com um acumulado de 650 toneladas, em preparativos para subir na rampa do estaleiro do porto da Madalena. É a primeira traineira a dar por terminada a safra em 2010. A sua tripulação madeirense diz já estar satisfeita com os resultados...

Foto em 30.09.2010 (14.45 h)

Pesca sempre em alta

Porto da Madalena cheio de atuneiros para descarga. Em primeiro plano "Ponta do Espartel", em segundo plano a descarregar a traineira "Atlântico Nordeste" propriedade de armadores micaelenses.

Fotos em 29-09-2010 (14:45 h)

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

MEMÓRIAS - Os Zepelins

Porto (velho) da Madalena do Pico

Antiga Rua do Mar da cidade da Horta

Se repararem nas fotos com atenção, conseguem observar no ar os "zepelins", dirigíveis que faziam a rota aérea do atlântico entre a Europa e América nos anos 20 e 30 do século passado.

Fotos enviadas por um Amigo e leitor a quem desde já "porto da Madalena" agradece a gentileza.

SCHULTZ XAVIER - ARMADA PORTUGUESA

O navio balizador da marinha "Schultz Xavier" atracado no porto da Madalena em 1990.

Características principais:

Deslocamento 900 ton

Comprimento 56 m

Boca 10 m

Calado 3.8 m

Propulsão 2 Motores Diesel 2400 hp

Velocidade 14.5 nós

Foto: cortesia de Vital Gonçalves


terça-feira, 28 de setembro de 2010

Actividade Portuária

Manobra de saída do Cruzeiro das Ilhas na viagem das 8:15 h com destino à Horta

No terminal de passageiros Expresso do Triângulo aguarda pacientemente algum distraído com destino a Velas de São Jorge na sua viagem com saída da Madalena às 08:30 h

Saída do porto da Madalena do Cruzeiro das Ilhas

Lusitânia a carregar para Horta e Velas de S. Jorge com saída prevista para as 09:00 h

Atuneiro Milão a descarregar atum para a Cofaco

Todas as fotos foram feitas em 28.09.2010 entre as 08:15 e 08:25

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

10.000

Em 6 meses o blog Porto da Madalena conseguiu 10.000 acessos. É sempre bom saber que o "nosso porto" é merecedor da atenção de tanta gente.
Mais uma vez "porto da Madalena" agradece a todos os que o visitaram bem como um especial agradecimento aqueles que através de Email ou pessoalmente colaboraram com as suas sugestões, fotos ou palavras de incentivo.

O Autor

Atuneiros encostados


Restrições impostas na pesca do atum deixam armadores e tripulações à beira dum ataque de nervos. Devido à falta de espaço nas instalações de frio do arquipélago, que neste momento se encontram superlotadas, foi criada uma regra, aparentemente temporária, que cada traineira não pode descarregar mais do que 20 toneladas.
É pena que, num ano excepcional de pesca ao bonito, isto esteja a acontecer. O ano 2010 poderia ficar durante muitos anos como um ano de referencia na pesca desta espécie.

Fotos em 27.09.2010



As obras projectadas

A imagem ajuda a compreender as zonas que vão sofrer intervenção nesta 1ª fase de obras do porto da Madalena.
Todo o molhe norte vai ser reforçado com novos e maiores tetrápodes e irá ser construído a Oeste um contra-molhe que irá trazer melhores condições de abrigo ao porto com ventos e ondulação deste quadrante.

domingo, 26 de setembro de 2010

MEMORIAS

Apesar do nosso porto ainda estar longe daquilo que seria o "razoável", ao ver esta imagem de Setembro de 1978 constato que alguma coisa mudou. A Cofaco já cá instalada desde 1961 descarregava o pescado das suas traineiras neste porto (velho) e aí entrava uma "imensa" logística: conforme a hora, a traineira ficava a aguardar que as lanchas da "carreira" (Espalamaca, Velas ou Calheta) acabassem o serviço de passageiros e saíssem, só depois descarregava o peixe à mão ou com o guindaste manual. A velha Bedford da Cofaco encarregava-se do transporte para a fabrica. Saia a traineira e era a vez dos barcos utilizarem o referido guindaste de mão. Após a descarga dos barcos e devido à falta de abrigo, começava o trabalho árduo da varagem.
Na foto vemos a traineira D. João de Castro, o barco Rival e por dentro deste o barco Adamastor a preparar-se para a varagem.
Entretanto, e apenas a 5 milhas de distancia, um imenso cais e porto de abrigo possuía uma autentica colecção de gruas entre as quais uma famosa "Colby" que tinha capacidade de içar um barco do Pico ou a própria lancha Espalamaca.
Nunca irei entender... :(

sábado, 25 de setembro de 2010

Peixe a mais ou Frio a menos

A capacidade de armazenamento do entreposto frigorífico da Lotaçor, na Madalena, está a atingir o seu limite. Nos últimos dois meses os atuneiros têm regressado a terra com os porões a abarrotar de peixe esgotando por completo a capacidade de armazenamento. A falta de resposta nas estruturas em terra por falta de capacidade para congelar e armazenar o pescado tem obrigado muitos atuneiros a ficar parados no porto durante três ou mais dias, prejudicando os rendimentos dos armadores e dos pescadores. Os homens do mar queixam-se de estarem sem trabalhar muitos dias e lamentam que esta oportunidade de ouro não esteja a ser aproveitada na totalidade. No entreposto da Madalena a capacidade de armazenamento de 2.800 toneladas há muito que foi ultrapassada, registando-se este ano a maior enchente de sempre naquela estrutura desde que foi construída. A ruptura do entreposto já obrigou à colocação no exterior do edifício de 12 contentores, oito dos quais de 40 pés com capacidade para 200 toneladas e quatro de 20 pés para 60 toneladas. As soluções provisórias também já estão cheias, sobretudo de bonito, que tem sido a espécie capturada em maiores quantidades.

Texto publicado no "Ilha Maior" em 24.09.2010

Foto do autor do blog


CRUZEIRO DO CANAL em estaleiro


O Cruzeiro do Canal, estacionado na rampa dos Estaleiros Navais do porto da Madalena está a ser alvo de grandes reparações. Uma equipa de técnicos especializados da ECV está a fazer a manutenção das máquinas propulsoras, geradoras e sistemas de veio e leme. Entretanto uma outra equipa encontra-se a fazer beneficiações no casco bem como a construção dum espaço fechado para a carga dos passageiros semelhante ao que foi introduzido no Cruzeiro das Ilhas. Estas obras estão a ser custeadas pelo governo da Região através da Atlanticoline.

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

A GRANDE VIAGEM

Com uma tripulação composta por um comandante e um imediato noruegueses, um engenheiro de máquinas polaco, um 2º maquinista e um marinheiro portugueses, saiu hoje do cais dos estaleiros de Dolmsundet na Ilha de Hitra (Noruega) o navio Cecília, propriedade da Empresa de Barcos do Pico, com destino a Lisboa. O navio Cecília virá juntar-se ao Lusitânia para transporte de carga geral nas Ilhas do Triângulo.

O navio Cecília tem 383 ton´s (GT), um comprimento de 40,30 mts, boca 8,22 mts, calado máximo de 3,50 mts, uma maquina principal Caterpillar de 650 hp, um motor auxiliar Scania de 250 Kva, um Deutz 55 Kw, traz 27.000 litros de Gasóleo, 10.000 de água e um lastro de 118 ton´s.

A toda a tripulação “porto da Madalena” deseja BOA-VIAGEM.

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

ALBUM FOTOGRÁFICO - VARINA

Varina no porto da Madalena em 1912

A Varina foi construída por José Rodrigues da Silva em 1909 para o transporte de passageiros. Foi a primeira lancha do canal a ter motor e tinha o conjunto de matricula H-100-SP.
Comprimento 10,50 mts, boca 2,25 mts, pontal 1,27 mts e TAB 7,2 ton's. A 20 de Março muda a propriedade para João Pereira de Freitas, Raul Ribeiro, Francisco Peixoto Silveira Jr. e Sergio Gonçalves. A 7 de Janeiro 1922 mudou de registo da Horta para a Delegação Marítima das Lajes do Pico com o conjunto de matricula L-425-SP sendo seu armador um senhor Souza. A 26 de Janeiro de 1927 é novamente vendida, desta vez para EAN (Lourenços), passando a ter o registo H-215-TL. Em 1947 a ELP comprou a EAN. Esta lancha devido às suas pequenas dimensões e ao seu estado de degradação é rebocada pela Espalamaca para o Cais do Pico para ser desmantelada.

ABUNDANCIA



As capturas da espécie bonito estão a fazer de 2010 um dos melhores anos de sempre da pesca do atum nos mares dos Açores. As duas fábricas em funcionamento no Grupo Central, Cofaco na Madalena e Sta. Catarina na Calheta de S. Jorge, tem armazenado enormes quantidades desta espécie nas estruturas de frio disponíveis.

Os pequenos “palangreiros” de pesca de fundo tem ajudado a crescer os números. Todos os dias têm chegado à Madalena estas pequenas embarcações (entre os 7 e os 10 metros) no limite da sua capacidade para descarregar “bonito”.


quarta-feira, 22 de setembro de 2010

ATUNEIROS: OS 5 MAIS (TOP FIVE) - 22/Set

1º Lugar: Amanhecer, propriedade de Avila e Pescas com 705 ton's

2º Lugar: Milão, propriedade da Cofaco com 610 ton´s

3º Lugar: Pepe Cumbrera, propriedade de armadores micaelenses com 560 ton's

4º Lugar: Rei dos Açores, propriedade de Alfredo Ávila com 550 ton´s

5º Lugar: Empatados o Génova, propriedade de Carlos Ávila e Baía da Horta (foto abaixo), propriedade de herdeiros de Carlos Sousa, com 500 ton's.

terça-feira, 21 de setembro de 2010

Ligação semanal Pico-Faial-S. Jorge (carga)



Lusitânia, ao fim da tarde, no seu cais do porto da Madalena após ter efectuado a habitual escala das terças feiras aos portos de Horta e Velas.
Foto em 21.09.2010 (19:30 h)

Pontas dos Arcos em Descarga


Traineira Ponta dos Arcos, propriedade da Cofaco, a descarregar cerca de 55 toneladas de "bonito" no porto da Madalena.
Recorde-se que esta traineira a meio da época teve uma avaria na caixa redutora que a fez imobilizar durante alguns dias no estaleiro deste porto, mas, e apesar deste contratempo, esta embarcação já possui um acumulado a aproximar as 350 toneladas.
Fotos em 21.09.2010 (19:00 h)

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

ALBUM FOTOGRÁFICO

Barco "Rival" a entrar no porto da Madalena com passageiros e carga em 1910.

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

AS OBRAS VÃO ARRANCAR


Hoje, 16-09.2010, entre o presidente da A.P.T.O. S.A., Eng. Fernando Nascimento e o representante do consórcio Etermar-Empresa de Obras Terrestres e Marítimas , SA/ CTPT-Companhia Portuguesa de Trabalhos Portuários e Construções, SA/ OFM-Obras Públicas, Ferroviárias e Marítimas, SA/ Irmãos Cavaco, SA., e com a presença do Sr. Secretário da Economia Dr. Vasco Cordeiro, foi feita a cerimónia do acto de consignação da 1ª fase das obras do porto da Madalena orçadas em 12.371.588,00 euros e com um plano de execução de 24 meses.

A obra está inserida na politica do governo de ligar os Açores ao mar e trará uma grande melhoria nas condições de abrigo do porto da Madalena principalmente com ondulação do quadrante SW e W.

A obra compreende a reabilitação do molhe norte (cais comercial) que está degradado devido ao mar tempestuoso e a construção do contra molhe a oeste da piscina municipal.

Esta obra terá uma 2.ª fase com a construção dum novo cais de passageiros com duas rampas RO-RO, gare marítima e um porto de recreio náutico (marina)

O projecto da gare e porto de recreio deverá estar concluído em Dezembro e todos os trabalhos (1ª e 2ª fases) deverão custar 25 milhões de euros.

Informação e Fotos: Cortesia de DSB a quem o "porto da madalena" agradece

O preço do Combustivel


Ao consultar esta manhã os preços do petróleo nos mercados em Londres, preços que servem de referencia para Portugal, verifiquei que o barril deste produto estava a $74,96 ou seja ao mesmo preço que se encontrava há exactamente 5 anos atrás (set/2005). Ora, isto não está de forma alguma a ser reflectido nos preços ao consumidor. Sempre que os armadores carregarem combustível nas suas embarcações, alguém, impunemente, está a meter-lhes a mão no bolso. Caso para dizer: subam a vela, coloquem os remos ou calcem as barbatanas

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

AS OBRAS DO PORTO DA MADALENA

Molhe Norte (cais comercial)

Zona do futuro molhe oeste

Amanhã, dia 16.09.2010, com a presença do Sr. Secretário da Economia Dr. Vasco Cordeiro e do consórcio vencedor , irá ser feita a assinatura de consignação da obra a realizar no porto da Madalena. Este acto terá lugar no edifício da gare de passageiros do mesmo porto.
Recorde-se que as obras anunciadas para esta fase compreendem o reforço de todo o molhe norte com a substituição dos tetrapodes, fecho e elevação do muro cortina na zona de enraizamento do porto e a construção de um contra molhe a Oeste para dar maior estabilidade à bacia portuária. Esta obra está avaliada em 13 M. de euros.

terça-feira, 14 de setembro de 2010

ALBUM FOTOGRÁFICO - "PORTAS DO MAR"

Alguém poderá julgar o titulo abusivo ou de outras paragens, mas não é. Sempre que personalidades com honras de estado visitavam o Pico, ao canto do edifício do Manuel Pereira , junto do antigo porto, era erguido um arco (já aqui falado), com os 4 castelos no topo representando o estatuto de vila, com uma grande porta ao centro por onde passavam as autoridades agraciadas por uma chuva de flores atiradas da parte superior por lindas meninas.

PORTA CONTENTORES

Navio porta contentores "abrigado" no ancoradouro do porto da Madalena em 08.09.2010 ao entardecer.

Apreensão sobre a venda da Naval Canal

Os armadores estão preocupados com o anúncio de alienação de 49 por cento do capital social da empresa “Naval Canal Lda” aos Estaleiros Navais de Peniche. A venda da estrutura localizada no porto da Madalena foi aprovada em reunião de Conselho de Governo realizada no passado dia 1 de Setembro. O governo considera que a medida permitirá a reestruturação da empresa “Naval Canal”, potenciando a captação para a Região de novos investimentos privados. Ao mesmo tempo, segundo o executivo, a decisão vai garantir a manutenção da infra-estrutura existente, bem como promover os estaleiros, alargar a prestação de serviços e criar emprego qualificado num sector estratégico para o desenvolvimento da Região. Apesar destas boas intenções governamentais, os proprietários das embarcações que operam nos Açores olham com preocupação para esta decisão, questionando sobretudo quais os preços a praticar pela empresa privada que vai passar a assegurar as reparações. Até agora os armadores contratavam directamente alguns operários para assegurar as reparações, o que ajudava a reduzir o preço do valor final. Com a entrada da empresa de Peniche nos estaleiros da Madalena, essa norma está vias de terminar e poderá fazer disparar o preço das reparações, se a opção passar por praticar, igualmente, preços de estaleiro semelhantes aos do continente. Alguns armadores temem pelo futuro das suas empresas e dizem que o governo errou ao entregar a uma empresa continental os únicos estaleiros existentes nos Açores preparados para proceder a reparações em embarcações com mais de 30 metros. Um dos armadores adiantou a Ilha Maior que esta decisão pode trazer custos elevados para os armadores açorianos e provocar o despedimento em algumas empresas.

Fonte: Jornal ilha Maior


domingo, 12 de setembro de 2010

PARABÉNS

Montanha do Pico eleita como uma das sete maravilhas de Portugal

Parabéns aos Picoenses e a todos os Açoreanos por esta justa e merecida vitória.

sábado, 11 de setembro de 2010

MEMÓRIAS

Á esquerda o Rival e à direita o Picaroto embandeirados em dia de procissão da Senhora da Boa Viagem em Junho de 1985.

Pesca ao Bacalhau



Certo dia, 2 Portugueses partiram rumo à Noruega. Um chamava-se Medeiros e outro Goulart. Como sempre, levaram na bagagem alguns sonhos: o Medeiros queria pescar um bacalhau e o Goulart queria cozinhar um bacalhau fresco.
Assim, o Medeiros lançou-se ao mar acompanhado por um polaco com o nome de Gregor no bote de um navio.
À medida que o tempo ia passando, o Goulart ia ficando impaciente e acabou por se refugiar nos prazeres dum cigarro... electrónico. Com voz "roncolha" entre fumaças ia dizendo: "Não vamos ter peixe!"
Duas horas passaram e... Ei-los de volta com bacalhau (zinho). Houve uma explosão de alegria e Goulart para a cozinha.
Um Norueguês junta-se à festa e traz vinho português "Vidigal". Alguns pratos e copos depois, o resultado foi este: Os Noruegueses não se dão lá muito bem com o vinho Português
O nosso Goulart lá ia pelo mesmo caminho. A chávena era só para disfarçar pois não era de café nem cha´.

Esta foi apenas uma história onde qualquer semelhança com a realidade não foi mera coincidência

Fotos em 10.09.2010