segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

Deixem navegar a "Espalamaca"

Artigo de opinião por Helder Garcia
DEIXEM NAVEGAR A "ESPALAMACA"

Se ha assunto que por unanimidade, tem aprovação de todos, é decididamente a recuperação da "Espalamaca".
Ao ler o jornal "Ilha Maior", de 6 feira dia 30-01-2015, em que o sr João Alberto (responsável pela recuperação da Espalamaca), é da opinião de  que "este seria o momento certo para a decisão de colocar os motores e respetivos depósitos, uma vez que a lancha ainda não está fechada", gostaria de apelar aos responsáveis por esta decisão, para que deixem navegar a "Espalmaca" .
Na minha opinião, esta bela embarcação tem de ser considerada  um valor cultural e patrimonial de elevado valor, ao nível do que foi, e bem feito nas lanchas e botes baleeiros, que hoje vemos bem recuperados e felizmente, tiveram uma especial atenção dos responsáveis das instituições competentes.
E hoje vemos os nossos mares coloridos com estas também heróicas embarcações que constituem um excelente cartaz turístico.
Equipar a "Espalamaca" com motores, será com certeza um investimento que acarretará alguns custos, é verdade! Mas porque é que esses custos não poderão ter retorno? Como?
Para fins turísticos : Porque não criar roteiros turísticos marítimos, em que os turistas, além de desfrutarem da nossa linda natureza ( mar, paisagens, por do sol ) e ainda, pudessem saborear os nossos produtos bordo?
Na educação: Que melhor lugar para ter uma aula de história das nossas ilhas, que a embarcação mais emblemática do canal?
Porque não fazer da " Espalamaca", uma escola de formação de marinheiros, mestres e maquinistas e captação de jovens?
Porque não fazer trabalhos de pesquisa de antigos naufrágios, à semelhança do trabalho que foi feito no local onde está o "Caroline", e que hoje é um museu marinho?
Ficamos agora a aguardar se dê a a devida atenção a este assunto, e que se inicie de uma vez por todas a recuperação de outros símbolos navais como a "Calheta", os barcos do canal, ou reconstituição das pequenas traineiras, para que a nossa história seja devidamente publicada, e tenha o tratamento merecido, e com certeza não faltarão ideias e pessoas que os rentabilize.


Cumprimentos


Helder Garcia